Friday, November 05, 2004

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....

A Respublica

A "coisa pública" deve estar permanentemente presente no nosso pensamento. O que hoje se verifica não é mais do que o atropelo, no pior que há, das funções públicas. A saúde, a justiça e o ensino estão em estado de morte latente. A primazia do privado surge como uma inevitabilidade. Será assim? Não acredito nestes propósitos. Há muito a fazer....